Pimentas mais consumidas no Brasil.

- abril 01, 2019



O pimentão e a pimenta vermelha se destacam entre as preferidas dos brasileiros

O povo brasileiro é conhecido como uma nação de paladar “quente”, mas você sabe quais são as pimentas mais consumidas no Brasil? Aqui nós vamos te mostrar que o consumo de pimentas aumenta a cada ano, e com muita razão. Ricas em sabor e grau de picância, os holofotes de nosso artigo de hoje vão para as ardentes pimentas!

Antes de mais nada, é importante tirar uma dúvida: toda pimenta arde? A resposta é não. As pimentas são plantas do gênero Capsicum, pertencente à família das Solanaceae. Seus pequenos frutos contêm substâncias que lhe caracterizam com sabor, textura e picância. Mas nem toda pimenta possui todos esses atributos.

Naturais da América Tropical, há tipos de pimentas que ardem e tipos que não ardem. Do mesmo modo, existem pimentas tão picantes que não dá pra sentir sabor nenhum. Inclusive, algumas pimentas podem inclusive levar uma pessoa adulta ao hospital após a ingestão.

Pimentas
As pimentas são muito usadas na culinária do Brasil (Foto: depositphotos)
O Brasil tem um alto consumo de pimentas, que conferem sabores a diversas receitas tradicionais de cada região. Pensando nisso, preparamos para você um artigo completo sobre as principais informações e curiosidades sobre as pimentas. Confira:

As 10 pimentas mais usadas pelos brasileiros

No mundo, há uma grande diversidade de tipos e espécies de pimentas. Elas se diferem por tamanho, cor, formato, picância e por sabor, é claro. No Brasil, é possível encontrar uma grande variedade de pimentas. Veja abaixo as pimentas mais queridinhas do Brasil.

Pimentão
Pimenta vermelha
Pimenta do reino
Pimenta caiena
Pimenta biquinho
Pimenta dedo-de-moça
Jalapeño
Pimenta de cheiro
Cambuci
Cumari
De acordo com informações da Embrapa, estas são as pimentas mais consumidas no Brasil. É claro que existem inúmeras opções que não entraram na lista, mas que também são famosas e deliciosas.

Veja também: Comer pimenta emagrece?



Veja informações sobre os tipos mais consumidos

Neste tópico, vamos te mostrar mais informações e curiosidades sobre as pimentas mais consumidas e cultivadas no Brasil. Nossas informações são baseadas em dados disponibilizados pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) através da Agência Embrapa de Informação e tecnologia (1).

Mas, antes disso, uma informação importante! Durante a descrição das pimentas, vamos usar muito a escala Scoville. Trata-se da tabela oficial do grau de picância das pimentas).

A escala Scoville foi desenvolvida em 1912 pelo farmacêutico americano Wilbur Scoville. Sua função é medir e classificar os graus de “calor” das pimentas, ou seja, a picância de cada tipo. Hoje, ela é ainda é usada como principal método de medição e classificação de alimentos e produtos picantes.

1- Pimentão

Pimentão
O pimentão tem um grau de ardência 0 (Foto: depositphotos)
Em primeiro lugar (e surpreendendo muitas pessoas), está o famoso pimentão. Apesar do nome, muitas pessoas não considera o pimentão como uma pimenta, mas na verdade ele é. Incluído no gênero Capsicum annum, o pimentão é sim um tipo de pimenta.

Independente da cor (amarelos, verdes ou vermelhos ), os pimentões são conhecidos pelo sabor levemente adocicado e os seus inúmeros usos na gastronomia. Curiosidade: A cor do pimentão é correspondente ao seu grau de maturação.

Apesar de ocupar o grau 0 de picância na escala Scoville, o pimentão conquista muitos fãs das pimentas pelo seu sabor e cheiro inconfundível. É usado muita na culinária brasileira, europeia e asiáticas, muitas vezes sendo a estrela do prato.

2. Pimenta vermelha

Pimenta Vermelha
A pimenta vermelha tem um grau de ardência 8
Em segundo lugar, temos a pimenta tradicional. Também conhecida como pimenta-malagueta ou pimenta americana, esta variedade é aquela pimenta famosa que vemos nas embalagens de produtos apimentados. Ela pertence ao tipo malagueta.

Na escala Scoville, as pimentas do tipo malagueta tem um grau de ardência 8 (entre 50.000 e 100.000 unidades Scoville). Apesar de muito picante, é um tipo de pimenta que pode ser consumido tranquilamente por fãs de comidas apimentadas. Ela vai causar uma sensação de calor bem agradável em dias frios.

É a pimenta usada em pratos picantes típicos do Brasil, como o acarajé e feijoada, por exemplo. Mas, para paladares desacostumados, a pimenta vermelha pode ser um furacão na boca. Portanto, tenha cuidado ou opte por pimentas mais leves.

3. Pimenta do reino

Pimenta do Reino
A pimenta do reino tem um grau de ardência 1 (Foto: depositphotos)
A pimenta do reino (Piper nigrum) é uma das pimentas mais famosas no mundo inteiro. Também é conhecida pelos nomes de pimenta-preta e pimenta-redonda. Trata-se de uma das especiarias mais antigas da história, sendo usada na alimentação desde a Antiguidade.

No caso dessa pimenta, o que é usado na alimentação são os seus grãos secos e moídos. Na escala Scoville, ocupa o grau 1 de ardência (100 a 500 unidades Scoville). Por ser leve e extremamente saborosa, é usada em diversas receitas e preparos na cozinha.

A pimenta preta vem da planta conhecida como pimenteira, uma planta do tipo trepadeira que pertencem à família Piperaceae. É uma planta nativa das florestas equatoriais da Ásia (região da Índia). Hoje é possível encontrar plantio de pimenta em vários países ao redor do mundo.

Historiadores e livros de história dizem que a sua origem é indiana, mas é possível encontrar o cultivo desta variedade em várias regiões do mundo. É usada muitas vezes junto ao sal, para realçar o sabor de receitas.

4. Pimenta caiena

Pimenta Caiena
A pimenta caiena tem um grau de ardência 1
A pimenta caiena (Capsicum annuum L. var. acuminatum) é uma variedade de pimenta muito famosa devido ao seu uso na culinária e medicina natural. Seu nome tem a ver com o seu local de origem: a cidade de Caiena (Cayenne), na Guiana Francesa.

A pimenta caiena é o nome dado apenas ao fruto seco e moído da pimenteira de mesmo nome. É muito presente na gastronomia de países de culinária picante, como México, Índia e outros países asiáticos.

Na escala Scoville, a pimenta caiena está no grau 1 de picância (100 e 500 unidades Scoville), o que lhe confere mais as características de cheiro e sabor do que ardência.

Veja também: Aprenda a fazer uma geleia saudável de Pimenta com Maracujá

5. Pimenta biquinho

Pimenta Biquinho
A pimenta biquinho tem um grau de ardência 0
A pimenta biquinho (Capsicun Chinense) possui cerca de 2,5 centímetros, é vermelha, redonda e possui um pequeno biquinho, caraterística que gerou o seu nome. É muito usada na gastronomia brasileira e mexicana, tanto pelo sabor quanto decorativamente. É uma pimenta que não arde, de grau 0 na escala Scoville.

Suas pequenas pimentinhas nascem da planta conhecida como “pé de pimenta biquinho” ou somente “pé de biquinho”. Ela pode chegar a 60 centímetros. Em algumas regiões do Brasil, a biquinho também pode ser chamada de pimenta de bico.

Além disso, é importante informar que a pimenta biquinho é uma variedade de origem brasileira. Isso mesmo, essa variação da pimenta é típica da América do Sul, especialmente o Brasil. Sendo assim, é uma queridinha das receitas e alimentação de muitos brasileiros.

Pertence à família das Solanaceae, portanto é prima das berinjelas, tomates e pimentões.

6. Pimenta dedo-de-moça

Pimenta dedo-de-moça
A pimenta dedo-de-moça tem um grau de ardência 5
A pimenta dedo-de-moça também é uma das mais populares no Brasil. É considerada uma pimenta de ardência média, com grau 5 na escala Scoville. Portanto, é um tipo ideal para pessoas que gostam de pimentas que misturam sabor e picância sem grandes extremos.

Muitas pessoas não sabem, mas a pimenta dedo-de-moça e pimenta calabresa são a mesma coisa! A diferença é que só é chamada de pimenta calabresa quando ela está na forma ressecada e moída.

Contudo, vale ressaltar que, dependendo da quantidade usada, a dedo-de-moça pode até mesmo deixar a boca dormente. Geralmente é usada no preparo de molhos, mas também está muito presentes em várias receitas, como feijoadas e saladas, por exemplo.

7. Jalapeño

Jalapeno
A pimenta jalapeño tem um grau de ardência 5
Já a pimenta jalapeño é um das queridinhas dos fast-foods e lanches, como hambúrgueres e pizzas, por exemplo. É uma variedade originária do México e é bastante picante. Na verdade, ela está no grau 5 de ardência pela escala Scoville, o que é um nível mediano. Mas seus molhos geralmente são feitos para ser mais picante do que isso.

É super popular em países como Estados Unidos e Canadá. Aqui no Brasil os molhos feitos com a pimenta jalapeño são bem mais famosas do que a própria pimenta. Não é uma variedade muito cultivada por aqui. Entre as pimentas dessa lista, esta é a única que é bastante usada no preparo de bebidas.

8. Pimenta de cheiro

Pimenta de Cheiro
A pimenta de cheiro tem um grau de ardência 0 a muito picante
As pimentas de cheiro são muito usadas no Norte do Brasil. Na verdade, é um classe de pimentas e não uma única pimenta. Existe de várias cores e níveis de picância, que vão de 0 a muito picantes. No geral, compartilham apenas o sabor e formatos parecidos.

São usadas no preparo de receitas típicas, como cozidos e junto a especiarias, como carne de jacaré e pato. Existem pimentas de cheiro de sabor doce, e com elas é possível produzir bebidas e doces.

9. Cambuci

Pimenta Cambuci
A pimenta cambuci tem um grau de ardência entre 1 e 2
Também conhecida como “Chapéu-de-frade”, a pimenta Cambuci é uma das mais consumidas no Brasil. São pimentas de ardência leve (entre 1 e 2 na escala Scoville) e possuem variedade doces e suculentas.

Geralmente é usada ressecada e moída, de modo que parece a pimenta calabresa. Serve para realçar o sabor das receitas.

10. Cumari

Pimenta cumari

A pimenta cumari tem um grau de ardência 4
A pimenta cumari é famosa na região Sudeste do Brasil. Não é muito picante, ocupando o grau 4 de ardência na escala Scoville (um pouco mais picantes que as pimentas leves). É considerada muito saborosa e rica em nutrientes.

As pimentinhas são pequenas, vermelhas e redondas ou ovais. Caem muito bem no preparo de carnes cozidas, molhos e marinados. Além disso, também são responsáveis de dar aroma às receitas.

Veja também: Pimenta do Reino faz mal? Veja benefícios

Qual a pimenta mais forte? Veja as 5 pimentas flamejantes

A capsaicina é o nome de uma propriedade presente em todas as pimentas. É ela a responsável por conferir a picância e também alguns benefícios medicinais destes alimentos. Contudo, algumas pimentas parecem exagerar no nível de capsaicina e outros compostos picantes.

Algumas pimentas são extremamente picantes, ao mesmo tempo em que existem algumas com grau de picância muito pequeno ou mesmo inexistente. Está curioso(a)? Veja abaixo a lista de pimentas mais fortes da atualidade.

Carolina Reaper: Considerada pelo Guiness Book a pimenta mais ardida do mundo desde 2013. É uma variedade criada a partir de mutações genéticas. Tem cerca de 1.600 milhões de unidades Scoville, o que pode levar uma pessoa ao desmaio. Deve ser manuseada com luvas e óculos de proteção. Além disso, há uma variação dela chamada Carolina Reaper Chocolate, que é ainda mais picante.

Trinidad Scorpion Butch T: Também é uma variedade criada de cruzamento genético de espécies de pimenta. Já foi considerada a mais forte do mundo, em 2011 e manteve o título até 2013. Possui cerca de 1.500 milhões de unidades Scoville.
Naga Viper: Com quase 1.400 unidades Scoville, a Naga Viper é a terceira pimenta mais quente do mundo.

Trinidad Moruga Scorpion: Com mais de 1.200 milhões de unidades Scoville, esta pimenta é conhecida pela seu sabor tão gostoso que é possível sentir doçura mesmo em meio a picância. É natural do distrito de Moruga, na região de Trindad e Tobago.
Bedfordshire Super Naga: Esta variedade possui aproximadamente 1.120 milhões de unidades Scoville. É bem rara e foi criada através de modificações genéticas. É preciso usar luvas para manusear esta variedade, pois ela queima a pele.
Menção honrosa: A Pimenta Fantasma

A Bhut Jolokia precisa ser mencionada, pois ela é uma espécie natural, sem modificações genéticas como as outras da lista. É considerada a pimenta mais ardida do mundo sem alterações de humanos na sua criação.

Também chamada de Naga Jolokia ou Pimenta Fantasma é uma pimenta super rara e extremamente picante. Manteve o título de pimenta mais ardida em 2007, desbancando a famosa Red Savina (que manteve o título entre 1994 e 2006).

Qual a pimenta mais cara?

A pimenta mais cara do mundo é a Aji Charapita, uma pimenta do tamanho de uma ervilha e que pode custar cerca de 40 mil dólares o quilo. Isso mesmo que você leu. Um quilo dessa especiaria custa tudo isso!

Nativa das florestas ao Norte do Peru, esta pequena pimentinha possui nível médio de ardência (cerca de 30 a 50 mil unidades Scoville). Quem costuma usar esta pimenta relata que o seu sabor é indescritível, e relacionam a sensação de comê-la com “sentir o tropical na boca”.

Em suma, o que lhe confere todo esse valor é o seu sabor impressionante e a sua limitação de cultivo. Em grandes quantidades, é muito difícil de plantá-la fora do clima e solo peruano.

Qual a pimenta mais leve (menos picante)?

A pimenta que menos arde é a pimenta biquinho, como já mostramos na lista acima. Na verdade, ela não arde nada. Na escala Scoville, ela se encontra no grau 0 de ardência. Até mesmo os pimentões podem apresentar um pouco de picância dependendo do grau de maturação.

Pimentas: sabor e nutrientes saudáveis

Por fim, deixamos aqui o conselho para que você inclua as pimentas na sua alimentação. Além de dar aquele up no sabor dos alimentos, as pimentas são ricas em substâncias que fazem bem para a saúde.

Sendo assim, aposte nas pimentas que mais se adequem ao seu paladar. Tenho certeza que, depois de incluir a pimenta no seu cardápio, ela nunca mais sairá do seu gosto!

Fonte: remedio-caseiro / Leonardo Vieira
Advertisement