Hábitos de amor próprio que toda mulher deve adotar

- 6:13 PM


Durante muitos séculos, as mulheres foram conquistando um papel mais igualitário na sociedade. Contudo, ainda há um caminho por andar. Para isso e do ponto de vista pessoal, os hábitos de amor próprio seriam um começo.




Os hábitos de amor próprio são aqueles que favorecem uma conexão profunda com os desejos e as necessidades de cada pessoa. Estes hábitos vão se desenvolvendo dia após dia. Ainda, o amor a si mesmo está relacionado com saber o que se quer e lutar por isso. Amar-se não é egoísta, é respeitar-se sempre.



Amor próprio

Ao longo dos séculos, as mulheres e seus desejos foram sendo colocados em segundo plano pela sociedade patriarcal. As mulheres acabaram acreditando que ser “boa mãe e esposa” era amar a si mesma. Além disso, pensaram que aguentar o maltrato, o silêncio, satisfazer o outro, era amar a si mesma.

Felizmente, os tempos vem mudando pouco a pouco. De fato, ainda resta um longo percurso para a igualdade entre mulheres e homens. No entanto, no âmbito pessoal, cada mulher tem o poder de amar a si mesma, ao priorizar seus desejos e sonhos.

Para o empoderamento feminino, estes hábitos de amor próprio são muito positivos. Entre eles está permitir-se sonhar, cumprir esses sonhos, ter um corpo natural e saudável, assim como permitir-se sair ou ficar. De fato, aprender a investigar no próprio desejo e sentir, para saber o que é bom ou não para si.



4 hábitos de amor próprio que potencializam a personalidade


Para alcançar o objetivo de uma vida plena e feliz, estes hábitos são importantes para serem integrados no dia a dia:

Escutar a si mesma



Parece até óbvio, mas as mulheres estão sempre condicionadas pela opinião social que pesa sobre elas. De fato, a maioria das culturas considerou a mulher como um bem de troca ou como empregada doméstica. Além disso, a criação dos seus próprios filhos, assim como a dos alheios, basicamente, eram os deveres femininos.

Não tem sido nada fácil conquistar direitos, e, todavia, em muitos países, as mulheres seguem privadas deles. Contudo, no Ocidente, é possível escolher estilos de vida com relativa liberdade. Relativa, pois se uma mulher não quer filhos nem marido, será julgada por um setor da sociedade, inclusive por sua própria família.

Por tudo isso, escutar o próprio desejo é, dentre os hábitos de amor próprio, o mais importante. Seja para escolher a carreira profissional, para escolher o parceiro ou para escolher a roupa, o essencial é se conectar com o próprio desejo. Já dizia Simone de Beauvoir: “mulher se faz, não se nasce”. Nada está escrito sobre sua vida e sua vida é você quem faz.




Dizer sim a si mesma: aceitação total


Claramente, os hábitos de amor próprio estão interconectados estreitamente entre si. Em resumo, aceitar-se com todos os defeitos é o mais belo que uma mulher pode fazer por si.

Além disso, a imagem da donzela sorridente, submissa, maternal e complacente já pode ir ficar estampada em figuras e quadros antigos. Ninguém pode definir o que é ser mulher, nem se pode comparar uma mulher com a outra.



Permita-se ser feliz


Que a felicidade não te afaste de ninguém. Desfrute da vida como mulher!



São muitas as mulheres que permanecem em relações de infelicidade e não percebem que possuem as portas abertas para sair.

Para a mulher, distanciar-se do sofrimento é muito mais difícil do que para os homens. O homem, desde que nasce, é configurado para ser uma pessoa livre e independente.


Sabendo disso, sabendo que para o patriarcado a felicidade não estará no mesmo plano que as mulheres, é impossível permanecer impassível.

Dessa maneira, é necessário dar o passo para a autoestima, seja nas relações amorosas, nas amizades, no trabalho ou na família.


Via: Melhor com Saúde





Advertisement